Loja Fina Flor

Loja Fina Flor

domingo, 24 de janeiro de 2016

Concurseiros aguardam 95 mil vagas.


O governo federal anunciou no final do ano passado a suspensão de alguns concursos programados para 2016. Porém, os editais abertos e previstos somam 94,9 mil vagas para todos os estados da federação, em todos os níveis de escolaridade.   Dois já foram confirmados e estão em andamento: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), que oferecem juntos 1.550 vagas.


No âmbito da União, ainda estão previstas seleções para a Eletrobas Eletronuclear e a Fundação Nacional do Índio (Funai). Também estão previstas contratações temporárias, visando fazer o censo IBGE 2016 do setor agropecuário foram autorizadas 84 mil vagas. O Serviço Geológico do Brasil será realizado também neste ano, organizado pelo Cespe/UnB, com 52 vagas para técnico de nível médio. 

Com as eleições municipais, os concursos locais serão restringidos. Isso porque a lei 9.505/97 estabelece que nos três meses que antecedem o pleito não é possível realizar nomeação, contratação ou admissão de servidores. Os aprovados em 2015 podem tomar posse antes desse prazo ou apenas depois. Porém, os concursos federais e estaduais não são afetados pela lei e acontecem sem restrições.     

 

IBGE oferece 1.409 vagas para vagas temporárias

 

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) publicou dia 21/01 o edital de abertura do concurso para preencher 1.409 vagas temporárias no Censo Agropecuário 2016. 

São três cargos disponíveis com salários que variam entre R$ 1.300 e R$ 7.166 para uma jornada de 40 horas semanais. As inscrições vão do dia 26 de janeiro até o dia 22 de março e devem ser feitas no site da Fundação Cesgranrio, organizadora da seleção. 

Para o cargo de analista censitário o salário oferecido é de R$ 7.166 e são 223 vagas abertas. A taxa de inscrição é de R$ 120. Para a função de agente censitário administrativo são 700 vagas com remuneração de R$ 1.560 e a taxa é de R$ 35. O IBGE também vai contratar 486 agentes censitários regionais com salário de R$ 1.300. Para concorrer, o candidato terá que pagar uma taxa de inscrição de R$ 50. As provas estão previstas para o dia 22 de maio.  

O contrato de trabalho terá duração de um ano com possibilidade de renovação para três anos. O último censo agropecuário feito no Brasil foi em 2006.

 

 

Fonte: Tribuna do Norte

Crise reduz consumo no Brasil.


Pesquisa do Instituto Data Popular mostra que nove entre dez brasileiros diminuíram o consumo no ano passado, devido à crise econômica. As entrevistas foram feitas entre os dias 4 e 12 de janeiro com 3,5 mil consumidores maiores de 16 anos em 153 municípios de todos os estados. Segundo os dados, dos 99% dos consultados que acreditam que o país está em crise, 81% têm certeza de que vivenciam um período de recessão. Para 55%, esta é a pior crise que já enfrentaram. De acordo com o presidente do instituto, Renato Meirelles, isso acontece por dois fatores.

O primeiro deles é que existe hoje um contingente enorme de consumidores que não participavam do mercado na época em que o Brasil conviveu com hiperinflação. “Não eram adultos na época da hiperinflação. É, de fato, um conjunto de consumidores jovens que tendem a achar que esta é a maior crise”, disse Meirelles. “A gente já teve crises com taxas de desemprego maiores, com mais inflação. ”  

Outro fator, segundo Meirelles, é que nas crises anteriores, de 2002  e de 2008, em geral, as pessoas tinham a sensação de que estava difícil comprar um bem ou produto ou melhorar de vida. Segundo ele, hoje a sensação de “voltar para trás” e isso aumenta a percepção de que esta é a maior crise. Como a situação atual veio depois de um processo de crescimento forte, da democratização do consumo, de os brasileiros passarem a ter acesso a produtos e serviços que antes não consumiam, a sensação de perda se torna mais forte, disse Renato Meirelles  

O presidente do Data Popular observou, entretanto, que boa parte das pessoas que não conseguiram realizar seus projetos no ano passado, em função da crise, se mostra disposta a efetivar seus planos em 2016. Do percentual de 63% que planejaram comprar um imóvel em 2015, mas encerraram o ano sem cumprir a meta, 35% acreditam que conseguirão realizar o sonho este ano. O percentual sobe para 69% se for considerado o universo de pessoas que planejaram comprar um eletrodoméstico em 2015 e não conseguiram (54% dos entrevistados). 

“A pesquisa mostrou que o consumidor está se programando para realizar seus planos, seja buscando uma renda extra, fazendo escolha do que é prioritário ou não no seu gasto, seja buscando financiamento, para voltar a comprar aquilo que ele tinha pensado em ter no ano passado e não comprou”. Significa que a crise funciona como uma alavanca para que as pessoas retomem o que haviam programado. “É um consumidor que entra nesta crise mais preparado do que em crises anteriores”, ressaltou Meirelles.

 

 

Fonte: Tribuna do Norte


Nível dos reservatórios de geração de energia sobe.


Apesar de uma melhora no nível dos reservatórios das hidrelétricas neste ano em relação ao ano passado, ainda não há uma definição do governo sobre a possibilidade de desligar as termelétricas que foram acionadas para garantir a oferta de energia para o país. O uso das usinas térmicas aumenta o preço da energia, refletido na aplicação da bandeira tarifária vermelha nas contas de luz de todos os consumidores.

Na Usina Hidrelétrica de Mauá, no Paraná, duas turbinas entraram em operação no início do ano

Em agosto do ano passado, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) determinou o desligamento de usinas térmicas com maior custo de geração. A medida foi proposta pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), devido à recuperação de parte dos níveis de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas. Segundo o Ministério de Minas e Energia, isso gerou uma economia de R$ 5,5 bilhões no segundo semestre de 2015 e permitiu que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reduzisse o valor da bandeira tarifária vermelha de R$ 5,50 para R$ 4,50 por quilowatt-hora consumidos.  
Mas, de lá para cá, não houve nova determinação do CMSE para que outras térmicas fossem desligadas. Na reunião mais recente do grupo, há uma semana, foi determinado que ONS deverá continuar acompanhando as condições hidroenergéticas do Sistema Interligado Nacional para, em função da sua evolução, propor ao CMSE a definição da geração térmica necessária para a garantia do atendimento energético do país.  
Na avaliação do presidente do Instituto Acende Brasil, Claudio Sales, a energia das termelétricas deverá continuar sendo usada pelo menos até abril, quando termina o período mais chuvoso no país, para que se possa para avaliar as condições dos reservatórios das hidrelétricas e decidir sobre a possibilidade do desligamento. “Aí então se terá segurança para poder, eventualmente, promover o desligamento parcial dessas usinas”, diz. Atualmente, as termelétricas que estão ligadas geram cerca de 14 mil megawatts médios de energia.     
O nível dos reservatórios do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que é responsável por cerca de 70% do armazenamento de água para a geração de energia no país, está em 39,1% atualmente. Em janeiro do ano passado, o nível chegou a 16,8%. “Não é um número espetacular, é relevante em relação ao ano passado, mas historicamente, nesta época os níveis são mais elevados. Mas é uma melhora significativa”, destaca Sales.     
A situação dos reservatórios do Sul é ainda mais confortável. O nível de armazenamento das hidrelétricas da região está em torno de 95%, acima dos 60% registrados no ano passado. No Norte, o nível está atualmente em 19,4%, mais baixo que no ano passado, mas as chuvas dos próximos meses na Região Amazônica deverão estabilizar a situação.    
A situação mais preocupante é a da Região Nordeste, onde os reservatórios estão com 8,1% da capacidade máxima. Mas, neste caso, a demanda de energia na região é suprida pelo uso de termelétricas e usinas eólicas e também pela energia recebida de outras regiões pelo Sistema Interligado Nacional.    
Segundo o Ministério de Minas e Energia, não há previsão de religar as termelétricas mais caras no Nordeste por causa da falta de água nos reservatórios. “Essas térmicas mais caras continuarão sendo usadas apenas para os seus objetivos originais: de fortalecer o sistema eventualmente, em horários de pico; de substituir outras térmicas em manutenção; ou compensar alguma restrição elétrica que dificulte o abastecimento de outras fontes”, informou a pasta. 
A matriz energética brasileira é denominada hidrotérmica, ou seja, a energia que é consumida no país é produzida principalmente por hidrelétricas com complementação de termelétricas – movidas a óleo, gás natural, carvão e biomassa. Quando o nível dos reservatórios das hidrelétricas fica muito baixo, o governo determina um acionamento maior de termelétricas, para que não haja risco de faltar energia no país. No entanto, essa energia é mais poluente e mais cara que a gerada por hidrelétricas, e o custo acaba sendo repassado para os consumidores.



Fonte: Agência Brasil

Halterofilista potiguar garante ouro no Mundial e vaga nos Jogos Paraolímpicos Rio 2016.

Um potiguar se destacou na Copa do Mundo de Halterofilismo Paralímpico, encerrada neste sábado (23), na cidade do Rio de Janeiro. O atleta Joseano Felipe conquistou a medalha de ouro no Mundial e garantiu vaga nos Jogos Paraolímpicos Rio 2016, que ocorrerão entre os dias 7 e 18 de setembro deste ano.




Joseano levantou 206kg na prova e garantiu que estará focado para a competição paraolímpica. “Treino de duas a três horas por dia e sempre traço metas, tanto por competição, quanto por peso levantado. A rotina é muito treino, descanso e alimentação boa. Tudo está dando certo e estou aumentando rápido a carga na barra. O trabalho será focado para fazer bonito no Rio-2016”, disse. 


Fonte: Tribuna do Norte

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Cientistas encontram "boas evidências" de um nono planeta no sistema solar.


Cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos, disseram, nesta quarta-feira (20), que finalmente foram encontradas "boas evidências" para um nono planeta no nosso sistema solar.     

Imagina-se que o gigante gasoso seja quase tão grande quanto Netuno e orbite a bilhões de quilômetros de distância da órbita do oitavo planeta: longe o bastante para levar de 10 mil a 20 anos para dar uma volta completa em torno do sol.   

O Planeta 9, como os pesquisadores o chamam, ainda não foi localizado. Eles basearam a descoberta em cálculos matemáticos e modelagem computadorizada, e anteciparam sua descoberta via telescópio, que deve acontecer dentro de cinco anos ou menos.

Os dois cientistas que encontraram as evidências divulgaram a pesquisa hoje, no Astronomical Journal, e querem que outras pessoas ajudem a localizar o novo corpo celeste.

"Podíamos ter ficado quietos e passado os próximos cinco anos procurando pelos céus por nós mesmos, esperando achar [o Planeta 9]. Mas eu gostaria que alguém encontrasse mais cedo", disse Mike Brown. "Eu quero vê-lo. Quero ver como ele se parece. Eu quero entender onde ele está, e eu acho que isso vai ajudar". 

Brown insiste que, uma vez detectado, deve haver um debate planetário ao estilo do de Plutão. O astrônomo foi chamado de "assassino de Plutão", quando ajudou a conduzir a acusação contra o "ex-planeta" que resultou no rebaixamento do seu status em 2006, para planeta-anão.    

Seu colega de pesquisa é o cientista planetário Konstantin Batygin. "Pela primeira vez em mais de 150 anos, existem boas evidências de que o censo planetário do sistema solar esteja incompleto", disse Batygin, referindo-se a descoberta de Netuno, como planeta 8.     

Ambos basearam sua previsão no fato de que seis objetos no gelado Cinturão de Kuiper, também conhecido como Zona do Crepúsculo - uma longínqua região do sistema solar - parecem ser influenciados por apenas uma coisa: um planeta verdadeiro.        

Brown descobriu um dos seis objetos há mais de uma década: Sedna um grande asteroide que orbita na fronteira do sistema solar. "Isso é uma previsão, O que nós encontramos foi uma assinatura gravitacional do Planeta 9, escondido na periferia do sistema solar" disse Batygin.  

Dependendo de onde o novo planeta esteja em sua órbita oval, um telescópio especial pode ser necessário para confirmar sua presença, disseram os pesquisadores. Eles afirmaram que os telescópios disponíveis podem detectar o planeta, caso ele esteja relativamente próximo de nós em seu caminho em torno do sol. Estima-se que ele esteja de 32 bilhões a 160 bilhões de quilômetros de distância da Terra.

 

Fonte: Associated Press / AE


Ano de 2015 foi o mais quente já registrado na história, confirma Nasa.

O ano de 2015 foi o ano mais quente de toda a história - em 136 anos desde que houve os primeiros registros - informou, nesta quarta-feira (20), a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos EUA e a agência espacial Nasa.
Segundo a medição realizada pela NOAA, a temperatura média da Terra e dos oceanos em 2015 foi 0,90°C acima da média do século 20, a mais alta já registrada desde 1880. O recorde anterior, atingido em 2014, foi superado em 0,16°C.       
Embora o ano de 2015 tenha sido o mais quente até agora já registrado, esta foi a quarta vez em 11 anos que a temperatura anual ultrapassou o recorde anterior.

"Está se tornando normal quebrar o recorde. É raro quando isso não acontece", disse a cientista do clima Katharine Hayhoeaid. Assim, é provável que este ano de 2016 também quebre o recorde e se torne o mais quente, de acordo com a Nasa.    
Para esta quebra de recordes, os cientistas culpam uma combinação entre o El Nino e o aumento crescente do aquecimento global causado feito pelo homem. 
Medições feitas pelo Japão e pela Universidade da Califórnia em Berkeley também confirmam que 2015 foi o ano mais quente já registrado. 



Fonte: Associated Press / AE

sábado, 16 de janeiro de 2016

Dilma e Temer devem ter primeiro encontro de 2016 na próxima terça.

A presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer deverão ter o primeiro encontro de 2016 na próxima terça-feira (19), segundo apuraram o G1 e a GloboNews.   
A reunião ocorrerá em meio ao momento de maior desgaste na relação entre Dilma e Temer desde que eles chegaram ao poder, em janeiro de 2011. No mês passado, o vice enviou uma carta à petista na qual apontou desconfiança dela em relação a ele.      
Essa mensagem gerou intensa repercussão política em Brasília e o resultado foi um comunicado, por parte dos dois, de que a relação entre eles será, de agora em diante,"institucional"    
Segundo pessoas próximas aos dois, no último dia 12, o chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, que tem atuado como espécie de ponte entre Dilma e Temer, telefonou para o vice sugerindo um encontro entre o peemedebista e Dilma. 
Neste momento, porém, Temer estava a caminho de São Paulo e questionou Wagner sobre se deveria retornar ao Planalto. O ministro, então, disse que isso não era necessário e sugeriu que o encontro ocorresse no dia 19.       
Conforme interlocutores, Temer aceitou a sugestão do ministro e o encontro ficou pré-agendado para terça-feira.

Relação

Nesta sexta (15), Dilma ofereceu café da manhã a jornalistas no Palácio do Planalto. No encontro, perguntada sobre sua relação com vice, afirmou ter "toda consideração" por Temer. Há cerca de dez dias, em entrevista coletiva, o peemedebista declarou que a relação entre eles "fica harmoniosa" neste ano.
O último encontro oficial entre a presidente e o vice ocorreu em 16 de dezembro. Na ocasião, Dilma e Temer participaram de um almoço oferecido pelas Forças Armadas, em um clube de Brasília. Após o evento, a banda executou a música "Amigos Para Sempre", o que gerou série de comentários na internet, principalmente nas redes sociais.


Fonte: G1
 
Prefeitura de Tangará dificulta a vida da população.


A prefeitura de Tangará anda dificultando e muito a vida dos cidadãos tangaraenses, hoje andando pelas ruas da cidade registramos diversos problemas que vem afetando a vida da população de Tangará.



A prefeitura consertou buracos no calçamento da rua Santa Teresinha, mas deixou um monte de pedras no meio da rua dificultando o acesso à avenida.



Na travessa Manu Ferreira moradores tem as casas invadidas por água da chuva devido a pavimentação mal feita da rua Manu Ferreira e a prefeitura tenta remediar, como podemos ver na imagem.





Na travessa Manu Ferreira os moradores reclamam de uma caixa de esgoto estourada, onde ratos aproveitam para passearem pelas ruas e nas casas dos moradores da travessa.




A sensação na cidade é de insatisfação com a atual administração, mas vamos esperar para ver. Se tratando de um ano eleitoral é muita conversa para pouco trabalho.

Corinthians se anima para vender Pato; destino deve ser o Chelsea.


Depois de dois anos de espera, o Corinthians finalmente está otimista com a possibilidade de vender Alexandre Pato. E, ao que tudo indica, clube e jogador não precisarão entrar em atrito para que ele aceite uma oferta do futebol chinês. O provável destino do atacante é aquele que ele sempre sonhou: a Inglaterra.
Pessoas próximas à diretoria e ao jogador indicam uma corrida de equipes britânicas. O Liverpool surgiu como um dos interessados nas últimas semanas, mas o Totthenham também entrou na disputa. Ambos, porém, estariam em desvantagem na briga com o Chelsea, hoje o maior candidato a contratar o atacante. 
Pato teria dado prioridade ao clube, visto por ele como o local ideal para voltar à Europa na tentativa de reconstruir a carreira. Durante as férias, o jogador chegou a assistir a uma partida da equipe, em Londres, e foi flagrado por torcedores.  
O Corinthians diz por meio de seus dirigentes que nenhuma negociação está fechada. No entanto, a cúpula do departamento de futebol se mostra animada com a conclusão da transação ainda nos próximos dias. Até mesmo o técnico Tite falou sobre a venda do atleta durante a entrevista coletiva de quinta-feira, nos Estados Unidos.

 – Talvez, em dois ou três dias, vocês (jornalistas) vão ter a resposta (sobre Pato). Eu nem precisarei responder – afirmou o técnico, ao responder sobre a ausência de Pato na pré-temporada.
O acerto com o futebol inglês passa pela aproximação de Pato com o empresário iraniano Kia Joorabchian. Eles e o ex-superintendente de futebol do Corinthians, Andrés Sanchez, foram vistos jantando em uma pizzaria de São Paulo, em outubro. O ex-gestor da MSI, antiga parceria do Corinthians, foi acionado pela diretoria para encontrar ofertas no exterior. Desde então, caça interessados no Velho Continente.

 

 

Fonte: globoesporte.globo.com


Sisu 2016 tem mais de 2,7 milhões de inscritos; resultado sai na segunda.

O Sisu (Sistema de Seleção Unificada) encerrou as inscrições para a primeira edição de 2016 com 2.712.937 candidatos. O número representa uma queda de 2,8% em relação a 2015, quando 2.791.334 pessoas participaram do processo, segundo o Ministério da Educação (MEC).
Os aprovados serão conhecidos na segunda-feira (18). Os dados serão divulgados pelo MEC na página do programa (http://sisu.mec.gov.br/).
Neste ano, o número de inscrições chegou a 5.275.613, considerando que cada candidato pode fazer duas opções de curso. A queda percentual também foi a mesma, já que em 2015 o total de inscrições foi de 5.431.904.
O Sisu é o sistema eletrônico gerenciado pelo MEC que seleciona os alunos para vagas em universidades públicas, de acordo com o desempenho no Enem. Os  candidatos selecionados devem fazer a matrícula nos dias 22, 25 e 26 de janeiro. Quem não conseguiu uma vaga pode ainda manifestar, no próprio site do Sisu, interesse em entrar na lista de espera entre segunda (18) e sexta-feira (29).
Neste ano, além de uma nova edição do Sisu no segundo semestre, está prevista uma edição extra com cerca de 100 mil vagas remanescentes. Ainda não foram divulgadas as datas do Sisu do 2º semestre e nem do Sisu das vagas remanescentes.
O Sisu é uma das formas gerenciadas pelo ministério de acesso ao ensino superior gerenciado por instituições públicas. Neste ano o MEC ainda vai abrir vagas para bolsas parciais ou integrais em universidades particulares por meio do Prouni (Programa Universidade para Todos) e também para financiamentos por meio do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).

Datas do Prouini e do Fies 

As inscrições para o Prouni serão nesta semana, entre terça-feira (19) e sexta (22). O foco são estudantes que saíram de escolas públicas e têm baixa renda.
Já o Fies começa na próxima semana, entre terça-feira (26) e sexta (29). O fundo também adota critérios para privilegiar alunos por critérios de renda, área de interesse e localização dos cursos.

Próximas edições do Sisu em 2016    

Nesta primeira edição do ano, o Sisu selecionou candidatos para 228 mil vagas em em 6.323 cursos de 131 instituições públicas. Segundo o MEC, houve aumento de 10,9% no número de vagas ofertadas em relação à primeira edição de 2015.   
O MEC prepara, pela primeira vez, uma edição extra do Sisu para reduzir as vagas remanescentes na graduação. De acordo com a pasta, mais de 150 mil vagas nas universidades públicas ficaram ociosas em 2014, conforme o Censo da Educação Superior.   
A previsão do MEC é selecionar tanto por meio das notas do Enem como pelo desempenho acadêmico do estudante na instituição superior em que ele já estuda, abrindo possibilidade para transferências. O Sisu das vagas remanescentes é parte da estratégia da pasta de diminuir as vagas ociosas, e para isso, o MEC vai mudar a forma com que são repassados recursos para instituições federais: passarão a receber mais recursos aquelas que têm mais vagas preenchidas    
Até o começo de janeiro não havia previsão de data, mas Aloizio Mercadante afirmou que primeiro o MEC cuidaria das edições do Prouni e do Fies de primeiro semestre para avaliar o Sisu extra. Também não foi divulgada data para o Sisu regular do segundo semestre. No ano passado ela ocorreu em junho e selecionou candidatos para 55.571 vagas oferecidas por 72 instituições.


Fonte: G1

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Taxa de desemprego sobe para 9% no trimestre encerrado em outubro.


A taxa de desocupação registrada no Brasil subiu para 9% no trimestre encerrado em outubro, divulgou hoje (15) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados constam na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

No trimestre anterior, maio-junho-julho, a taxa de desocupação ficou em 8,6%, com um crescimento de 0,6 ponto percentual na comparação com os três meses anteriores. Em 2014, a taxa de desocupação fechou o trimestre agosto-setembro-outubro em 6,6%.     

O rendimento real habitual em relação a maio-junho-julho teve variação de -0,7%. Já na comparação com agosto-setembro-outubro de 2014, houve queda de 1%.   

O rendimento real habitual do trimestre encerrado em outubro foi de R$ 1.895 em valores absolutos. No trimestre imediatamente anterior, o valor era de R$ 1.907, e, no mesmo período do ano passado, de R$ 1.914.

Procura por emprego

 

Segundo a pesquisa, 9,1 milhões de pessoas procuraram e não conseguiram emprego no trimestre encerrado em outubro de 2015. No período encerrado em julho, o número era de 8,6 milhões. Já o número de pessoas ocupadas, de 92,3 milhões, não apresentou variações significativas, de acordo com os critérios do IBGE.

Carteira assinada

 

O contingente de trabalhadores com carteira assinada caiu 1% na comparação com o período encerrado em julho, com 359 mil pessoas a menos. Já em relação ao mesmo trimestre de 2014, houve uma perda de 1,2 milhão de empregos formais, ou 3,2%. 

A comparação com o trimestre imediatamente anterior mostrou uma queda de 2,6% no contingente de ocupados na indústria geral. Em relação ao ano passado, a queda chega a 5,6%.

O número de pessoas empregadas no setor privado sem carteira assinada subiu 1,3% do trimestre terminado em julho para os três meses encerrados em outubro de 2015. Já o número de trabalhadores domésticos subiu 1,7%.

 

 

Fonte: Agência Brasil

Governo Federal destina R$ 2,6 milhões extras para combate ao Aedes aegypti no RN.


A presidenta Dilma Rousseff sancionou nesta sexta-feira (15) recurso de R$ 1,27 bilhão para o desenvolvimento das ações de vigilância em saúde, incluindo o combate ao mosquito Aedes aegypti, em 2016. A este montante será adicionado R$ 600 milhões destinados à Assistência Financeira Complementar da União para os Agentes de Combate às Endemias. Para intensificar as ações e medidas de vigilância, prevenção e controle da dengue, febre chikungunya e Zika também foi aprovado R$ 500 milhões extras. Na primeira semana, o Rio Grande do Norte vai receber R$ 2.648.656,09.     

Nesta semana, o Ministério da Saúde repassou aos estados R$ 143,7 milhões extras destinados a ações de combate ao Aedes aegypti. O recurso foi garantido em portaria publicada no dia 23 de dezembro do ano passado e já liberado 100% aos estados no início desta semana. O Ministro da Saúde, Marcelo Castro, considere de fundamental importância este recurso extra para as ações nos estados e municípios. “Com este reforço financeiro, os estados e municípios vão poder potencializar as medidas de combate ao Aedes aegypti para evitar a transmissão de dengue, chikungunya e Zika”, explicou.   

O ministro orienta que os cuidados com o mosquito devem ser redobrados nesta época do ano, período de maior incidência das doenças. “É preciso que todos se mobilizem para combater este mosquito. É muito importante sempre verificar o adequado armazenamento de água em suas casas, o acondicionamento do lixo e a eliminação de todos os recipientes sem uso, que possam acumular água e virar criadouros do mosquito”, recomendou Marcelo Castro.       

O Ministério da Saúde tem reunido esforços para o combate ao mosquito Aedes aegypti, convocando o poder público e a população para uma ampla mobilização nacional para conter o mosquito. O governo federal mobilizou 19 ministérios e outros órgãos federais para atuar conjuntamente neste enfrentamento, além da participação dos governos estaduais e municipais. 

Com isso, as visitas a residências para eliminação e controle do vetor ganharam o reforço das Forças Armadas e de mais de 266 mil agentes comunitários de saúde, além dos cerca de 44 mil agentes de endemias que já atuavam regularmente nessas atividades. A orientação é para que esse grupo atue, inclusive, na organização de mutirões de combate ao mosquito em suas regiões.    

Os repasses de recursos do Ministério da Saúde para o combate ao mosquito têm se mantido crescentes ao longo dos anos. Somente no ano de 2015, foi liberado R$ 1,25 bilhão.  Em 2011, este montante era de R$ 970,4 mil, o que representa um aumento de 28,8% nos recursos nos últimos cinco anos. O Ministério da Saúde também investiu, no ano de 2015, R$ 23 milhões na aquisição de inseticidas e larvicidas. Além das ações de apoio a estados e municípios, o Ministério da Saúde realiza a aquisição de insumos estratégicos e kits de diagnósticos, para auxiliar os gestores locais no combate ao mosquito.

Dengue

Em 2015, foram registrados 1.649.008 casos prováveis de dengue no país. A região Sudeste concentra o maior número de registros da doença com 62,2% (1.026.226) dos casos de todo o país, seguida pelas regiões Nordeste com 18,9% (311.519), Centro-Oeste com 13,4% (220.966), Sul com 3,4% (56.187) e Norte com 2,1% (34.110). Entre os estados, destacam-se Goiás (2.500,6 casos/100 mil hab.) e São Paulo (1.665,7 casos/100 mil hab.) No total, 22 estados apresentaram aumento no número de casos. Apenas Acre, Amazonas, Roraima, Piauí e o Distrito Federal tiveram redução.

O pico de maior incidência da dengue ocorreu no mês de abril com 229,1 casos para cada 100 mil habitantes, seguido de uma redução a partir do mês de maio (116,1), tendência observada nos meses seguintes até outubro (12,2). A partir de novembro (22,3), a incidência da doença começa a apresentar leve tendência de aumento. Em 2015 ocorreram 863 mortes por dengue. As regiões que registraram o maior número de vítimas fatais foram Sudeste (563) e Centro-Oeste (130).

O Ministério da Saúde observou os municípios com as maiores incidências da doença acumuladas por estrato populacional em relação ao número de habitantes. Entre as cidades com menos de 100 mil habitantes destaca-se o município de Onda Verde (SP), com 17.989,9 casos para cada 100 mil habitantes. Entre os municípios com 100 mil a 499 mil pessoas, Rio Claro (SP) possui maior incidência da doença, com 10.804,7 casos/100 mil habitantes. Em relação aos municípios com população entre 500 mil e 999 mil, Sorocaba (SP) se destaca com incidência de 8.815,6 casos para cada 100 mil habitantes. Já em relação aos municípios com mais de 1 milhão de pessoas, Campinas (SP) registrou incidência de 5.766,2 casos para cada 100 mil habitantes.

Entre os quatro sorotipos virais existentes da dengue, o DENV1 foi o que mais circulou durante 2015 respondendo a 93,8% dos casos confirmados de dengue, seguido do DENV4 (5,1%), DENV2 (0,7%) e DENV3 (0,4%).

Chikungunya

Em 2015, foram registrados 20.661 casos de febre chikungunya no país. Desse total, 7.823 casos foram confirmados e 10.420 estão em investigação. Atualmente, 84 municípios de 11 estados estão com transmissão autóctone (circulação) do vírus. Além disso, pela primeira vez no Brasil, foram confirmadas três mortes por chikungunya, sendo duas na Bahia e uma em Sergipe. As três vítimas eram idosas (85, 83 e 75 anos) e apresentavam histórico de doenças crônicas.

As medidas de prevenção para a doença são as mesmas já adotadas para a dengue, que se resume em evitar o acúmulo de água parada. A principal diferença nos sintomas das duas doenças é que na febre chikungunya, a dor articular surge em 70% a 100% dos casos, é intensa e afeta principalmente pés e mãos.

Zika

Até o dia 9 de janeiro deste ano foram registrados 3.530 casos suspeitos de microcefalia relacionada ao vírus Zika. Os casos suspeitos da doença em recém-nascidos são computados desde o início das investigações (em 22 de outubro de 2015) e ocorreram em 724 municípios de 21 unidades da federação. Também estão em investigação 46 óbitos de bebês com microcefalia possivelmente relacionados ao vírus Zika, todos na região Nordeste.

O estado de Pernambuco, o primeiro a identificar aumento de microcefalia, continua com o maior número de casos suspeitos (1.236), o que representa 35% do total registrado em todo o país. Em seguida, estão os estados da Paraíba (569), Bahia (450), Ceará (192), Rio Grande do Norte (181), Sergipe (155), Alagoas (149), Mato Grosso (129) e Rio de Janeiro (122).


Com informações do Ministério da Saúde