Loja Fina Flor

Loja Fina Flor

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Temer indica Raquel Dodge para PGR no lugar de Rodrigo Janot.


Indicação de Dodge ainda será submetida ao Senado
Federal. Ueslei Marcelino/Reuters
O presidente Michel Temer indicou nesta quarta-feira (28) a subprocuradora-geral da República, Raquel Dodge, para substituir Rodrigo Janot na PGR (Procuradoria-Geral da República), afirmou o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola.


— A doutora Raquel Dodge é a primeira mulher a ser nomeada para a Procuradoria-Geral da República. 


Com a indicação, Temer quebra a tradição mantida pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff de nomear sempre o primeiro colocado da listra tríplice eleita pela categoria. Raquel Dodge ficou em segundo lugar na eleição interna da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República).
O primeiro colocado da votação, o vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, é aliado de Janot, que no início da semana denunciou Temer por corrupção passiva. A Constituição confere ao presidente a prerrogativa de escolher o chefe do Ministério Público Federal. O presidente não é obrigado a seguir nenhuma indicação da lista.
A indicação de Raquel para substituir Janot, que encerra o mandato em 17 de setembro, terá de ser submetida ao Senado. Os senadores vão precisar sabatinar e aprovar o nome da indicada em votação secreta no plenário da Casa.


Raquel Dodge


Raquel Elias Ferreira Dodge é subprocuradora-Geral da República e oficia no STJ (Superior Tribunal de Justiça) em matéria criminal. Integra a 3ª Câmara de Coordenação e Revisão, que trata de assuntos relacionados ao Consumidor e à Ordem Econômica. É membro do Conselho Superior do Ministério Público pelo terceiro biênio consecutivo.
Dodge foi Coordenadora da Câmara Criminal do MPF, membro da 6ª Câmara, Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão Adjunta. Atuou na equipe que redigiu o I Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil, e na I e II Comissão para adaptar o Código Penal Brasileiro ao Estatuto de Roma.
A indicada também atuou na Operação Caixa de Pandora e, em primeira instância, na equipe que processou criminalmente Hildebrando Paschoal e o Esquadrão da Morte. Ela é mestre em direito pela Universidade de Harvard e ingressou no MPF (Ministério Público Federal) em 1987.




Fonte: Do R7, com Reuters e Estadão Conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário